Daniel Zanzini

Devido à onda de protestos nos USA et em todo mundo contra o racismo, muitas pessoas passaram a se perguntar onde e como o racismo se manifesta em suas vidas.

Un resposta pra isso é simples: em todo lugar. E em nossos projetos digitais não seria diferente.

O Git, um dos sistemas de contrôle de versão mais populares do mundo, utiliza como padrão o termo master para identificar a versão principal do projeto. Este termo vem de uma metáfora extremamente opressiva: Maître d'esclave, que significa Mestre-Escravo.

Existem diversas razões para abolir o uso dessa metáfora de nossos projetos digitais e, em 2018, un Internet Engineering Task Force (IETF) lançou um documento que fala sobre os males de terminologias opressoras em projetos digitais, porque elas não devem ser utilizadas e sugere termos para substituir essas terminologias.

Além disso, muitas comunidades e empresas vêm abolindo o uso de termos racistas como Maître, esclave, liste noire et liste blanche de seus projets et os substituindo por termos não opressores e de igual entendimento: Primaire, secondaire, DenyList et AllowList. 👏 🎉

Um pequeno gesto que está em nossas mãos é remover o termo master de nossos projetsos no GitHub, dessa forma, além de démonstrar apoio, você influencia outras pessoas a seguirem o mesmo caminho.

Embora a master seja a branch principal de seu projeto, renomeá-la não é complicado. Mas lembre-se: sincronize essa ação com colegas de trabalho. La branche Esta est utilisée par todos comme pessoas participantes pour projeter et modifier le nome sem um aviso prévio pode (e vai) causar problemas.

Avisou pra todo mundo? Todo mundo de acordo? Então vamos:

Existem várias opções possíveis: default, primary, trunk, etc. Eu gosto de main pois, como citado por Scott Hanselman, utilizando este nome você ainda tem a vantagem de que este termo também começa com ma, então a memória muscular de digitar ma e apertar Tab para auto-completar ainda funciona.

Faça isso a partir da master e, depois, faça o push para o repositório:

$ git branch --move master main
$ git push -u origin main

Fazendo isso, a tela inicial do repositório, todos os novos Demandes de tirage e qualquer outra ação que aponte para uma branch, serão apontados para a main, a não ser que você especifique o contrário. Para fazer isso, vá até seu repositório no GitHub, em Paramètres → Branches. Na opção Branche par défaut escolha main e aperte Mettre à jour.

Se você utiliza alguma regra ou action no GitHub, algum serviço de CI / CD, pipelines ou qualquer outro que dependa do nome da branch para funcionar, você deve modificar a branch para a qual o serviço aponta. Não é provável, mas fique de olho em qualquer problema que possa aparecer após a mudança.

Todas as pessoas trabalhando no repositório terão que aplicar as modificações em sua cópia local. Para criar uma nova branch referenciando a nova main basta rodar $ git branch -u origin/main.

Se estiver trabalhando com várias pessoas, não tenha pressa para fazer isso. Sincronize com todo mundo e quando estiver pronto para apagar a master, utiliser $ git branch -D master se quiser apagá-la apenas localmente. Parapagar a branch remota, você pode fazer pela interface do GitHub ou utilizar $ git push origin --delete master.

E é isso, à partir de l'agora seu repositório possui uma branche principal que não faz referência e nem normaliza a estrutura social de um período sombrio de nossa história.

Há muito mais a ser feito e isto não é algo que tenha fim. Estamos inseridos em uma sociedade opressora e, mesmo sem perceber, utilizamos termos e expressões que normalizam e reforçam essa condição.

É nécessairement nécessaire à la constante constante de nos termos utilizados em nossos projetos. No documento proposto pela IETF, há um sumário de recomendações that ajudam a não utilizar termos opressores, entre elas:

  • Reflita antes de usar metáforas;
  • Utilisez gênero neutro;
  • Leve isso em consideração em processos de revisão.

E é assim, através de pequenas ações, que podemos fazer nossa parte na construção de um mundo (real e digital) melhor e mais inclusivo para todas as pessoas.